+REVIEW - Tomb Raider: A Origem

11:00 0

Será que a parceria entre a Square Enix e a Warner deu certo?


Fala, galera! Como estão? Espero que muito bem! Hoje vim dar continuidade a Review especial sobre Tomb Raider. (O que? Você ainda não leu? Clica aqui agora!) Como havíamos combinado, assim que assistisse ao filme iria trazer pra você uma review só sobre ele e pois bem: Essa hora chegou. Estava muito ansioso e com grandes expectativas, mas será que valeu a pena? É o que você confere agora. 

Parece que uma maldição ronda Hollywood ao falarmos em adaptações. Recentemente fizemos uma viagem ao mundo das adaptações literárias e juntos discutimos o quanto as obras sofrem modificações ao passarem para o lado hollywodiano da força. Apesar de não ser tão comum jogos receberem adaptações, alguns diretores resolvem se arriscarem nesse meio, mas será que sofrem do mesmo mal que os livros? Comenta pra gente aí embaixo se vocês gostariam que fizéssmos uma review especial a respeito do tema. (Oh as idéias aí). 

Mas vamos ao que interessa: Lançado em 15 de maio de 2018, o novo filme da heroína mais famosa do mundo dos games Lara Croft chegou as telonas prometendo ser uma homenagem aos mais de 20 anos da musa e trazendo a história do reboot do game lançado em 2013. Em algumas entrevistas do diretor que li por aí, seu objetivo era apagar de vez a má fama de Lara nas telonas após dois filmes fracassados, mesmo contendo Angelina Jolie no papel da musa. Porém, devo dizer que foi um tiro na água e o filme ficou aquém das expectativas. Por favor, não me entendam mal, o filme de todo não é ruim e possui seus bons e ótimos momentos. Iremos discutir com calma cada um deles, mas precisamos ser sinceros quanto ao quesito de adaptação. Ficou claro que ainda precisam trilhar um longo caminho para que consigam trazer uma adaptação digna de Lara para as telonas. Contudo o filme não tem feito feio e levado uma legião de fãs para os cinemas para prestigiar nossa quarentona-com-rostinho-de-20 e há rumores de uma possível continuação. 


A atriz e Lara Croft:

Se você leu minha Review anterior (não vou mandar você clicar no link no início desse texto de novo), vocês sabem muito bem da minha desconfiança com o fato de Alicia Vikander dar vida a Lara. Felizmente fui pego de surpresa por uma ótima atuação. A moça parece ter nascido para o papel, onde incorpora Lara de forma natural e carismática. Meu medo era que a Lara em si fosse a parte mais fraca do filme, porém, Alicia não deixou nada a desejar a versão dos consoles. Veja bem, Angelina foi emblemática como Lara, mas me parece que Alicia tem os pontos ideais para viver a nova fase da personagem, mais humana e divertida.
E a personalidade de Lara? Teimosa? Confere. Aventureira? Confere. Sarcástica? Confere. Lara foi bem construída e muito bem representada como discutimos acima, porém destaco que algumas modificações foram inseridas se comparamos com a Lara dos consoles. O jogo é focado nas descobertas de Lara na luta pela sobrevivência em uma história progressiva e linear. No filme ela se apresenta como uma verdadeira heroína já formada, ciente de suas habilidades e sua força. Desde o início Lara se mostra muito confiante, enquanto no game  Lara vai se descobrindo aos poucos. Porém não é nada muito alarmante que comprometa a história e andamento do filme. 


O roteiro:


Após o pai de Lara ter sido dado como desaparecido é posteriormente morto, Lara encontra estranhos documentos a respeito de uma misteriosa ilha japonesa localizada no mar do Diabo, onde uma terrível deusa da morte chamada Himiko encontra-se sepultada. Seu pai desaparece logo após realizar uma expedição para a tal ilha e Lara resolve ir atráspara descobrir a verdade sobre seu paradeiro e deter uma ameaça capaz de dizimar o mundo. 

Os mistérios envolvendo a deusa Himiko foram explorados tanto no game quanto no filme.

Parece um filme de Sessão da Tarde, não é? Pois acabamos de chegar ao mais temido ponto por todos e o verdadeiro calcanhar de Aquiles do filme. A história foi boa, porém não chegou nem perto do que foi a do game, trazendo uma versão fraca e um enredo genérico e pouco atrativo, repleto de clichês. A premissa do jogo estava ali, mas alguns acontecimentos fugiram totalmente do script do game e mais uma vez me senti vendo os filmes da Jolie, bons se você não os compara com os jogos, porém sem nenhuma conexão com a história original. Meu sentimento ao assistir foi de estar vendo um spin off da história. Poderia ter sido melhor.

Talvez o ponto que mais tenha me decepcionando foi a ausência de cenas que mostram Lara lutando e se descobrindo para que enfim possa sobreviver a misteriosa ilha japonesa e enfrentar as mais diversar ameaças. No lugar o mesmo foi recheado de cenas toscas sem a menor ligação com a história, como perseguições e lutas que somente servem para ocupar preciosos minutos do filme. Há também uma exacerbação de um drama familiar totalmente inexistente e dispensável. A história sofreu modificações extremas ao se falar sobre a ilha e o mistério de Himiko, mas não irei comentar sobre para que não sejam revelados detalhes do jogo para aqueles que possuem o interesse em jogar e ainda não tiveram oportunidade. 

Jogo x Filme: 

Durante o jogo Lara monta uma espécie de expedição com diversas pessoas para ajudá-la a montar um documentário sobre a ilha japonesa. Todos os personagens são muito carismáticos como Samantha Nishimura, responsável pela gravação e edição da expedição (SAAAAAAAM - se você jogou, vai entender), Alex Weiss, Jonah Maiava, dentre outros. No filme os personagens simplesmente não existem. No lugar deles o diretor optou substituí-los por Lu Ren, um marujo bêbado cujo pai ajudou Richard Croft a chegar na ilha durante a expedição que culmina em seu desaparacimento. 

Sabemos que em um filme não é possível realizar uma adaptação com total fidelidade a sua obra de origem, mas a troca dos personagens não funciona. E clararmente há um interesse romântico entre dois.Fui assistir ao filme com uns amigos e um dos melhores comentários que ouvi foi o seguinte: Hollywood não consegue lançar um filme sobre uma heroína sem colocar um par romântico no meio.” É totalmente verdade.

Mas nem tudo é desastre e os melhores momentos do filme se deram com as cenas que faziam referência ao jogo. E elas foram idênticas! A cena inicial do naufrágio do barco foi reproduzida na íntegra, assim como outras bem emblemáticas no game. Foi lindo de assistir é isso demonstra o cuidado que toda a equipe de direção e arte tiveram para representar bem o game. Chega a ser estranho reproduzirem com tamanha fidelidade algumas cenas e modificar totalmente o roteiro. Eu realmente não entendi o que aconteceu. 



O veredicto: 

O filme é dividido em partes, onde seu início é totalmente dispensável com suas cenas de blockbuster. A partir do naufrágio o filme se torna interessante, porém, em nada se assemelha com o game. Alicia fez um ótimo trabalho dando vida a Lara, mas como disse acima, o filme poderia ter sido mais. Mais emocionante. Mais interessante. Mais fiel. Infelizmente o slogan do game “Nasce uma sobrevivente” foi totalmente ignorado. Em seu lugar deveria ser: “Eu já sou uma sobrevivente”. 


O roteiro se funde em um misto de cenas confusas e de pouco impacto com cut scenes maravilhosas, a direção de arte e efeitos especiais mandou muito bem nas ambientações e cenas de luta e resolução de puzzles. O filme também traz uma bonita homenagem a Lara com seu visual mais clássico com sua trança e as emblemáticas pistolas, porém, é só isso. O filme funciona como uma obra de aventura e ação e talvez esse tenha sido o objetivo do diretor desde o início. Porém, não há a mesma emoção de Tomb Raider. Apesar dos bons momentos, o filme é fraco e não conseguiu realizar uma boa adaptação. 




Pontos Positivos:

  • Excelente atuação de Alicia Vikander;
  • Algumas cenas são totalmente idênticas ao game 
  • Direção de arte e efeitos especiais competentes 



Pontos negativos: 

  • Roteiro fraco e de pouco impacto;
  • Uso excessivo de cenas de ação e sem conteúdo para a história
  • Exclusão de personagens interessantes;
  • Conflito familiar sem sentido 



Nota: 6,5


E aí, gostaram? Acharam que faltou algo? Qualquer elogio, críticas ou sugestão são bem vindos

0 Comentários para "+REVIEW - Tomb Raider: A Origem"