+REVIEW - South Park: A Fenda que Abunda Força (The Fractured but Whole)

11:00 0
Uma continuação digna?



Fala galera! Teremos hoje uma rápida review no novo jogo de South Park, e continuação direta de seu antecessor, "The Stick of Truth": A Fenda que Abunda Força! Como era de se esperar, a classificação indicativa é 18 anos, então essa review pode vir a conter um palavreado mais pesado.

  
Características Técnicas

South Park: A Fenda que Abunda Força é um RPG produzido pela Ubisoft, lançado no dia 17 de Outubro de 2017 para Microsoft Windows, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch. O roteiro fica por conta de Trey Parker e Matt Stone, criadores da série de TV.


Enredo


Junte-se ao Guaxinim e Amigos como o Novato, um super-herói com o incrível poder de dobrar o espaço-tempo com seus peidos, ainda mais poderosos do que em "The Stick of Truth". Com um passado sombrio (você viu seu pai comer a sua mãe, isso é bem pesado, cara) e uma ficha de personagem para ser completada pelo jogador durante o game (com direito a etnia, gênero, orientação sexual e religião, ao melhor estilo South Park), lute contra sextantistas, garotas Raisins e carangueijos vendedores de planos de celular em sua jornada para tornar os "Amigos do Guaxinim"a maior franquia de super heróis do mundo, enquanto disputa heroísmo com a franquia rival, os Amigos da Liberdade, e luta contra o super vilão Professor Caos e seus lacaios (sim, o Butters e seu exército de Latinos e cachorros cobertos de papel alumínio), e descubra que o mistério por trás do desaparecimento dos gatos da cidade e seu poder anal são muito maiores do que uma brincadeira de criança!


Personagens

Com uma gama bem maior de personagens, o Novato pode contar com todas as outras crianças como aliadas de combate, cada uma com um kit de habilidades próprio:

Guaxinim e Amigos
  • Guaxinim (Eric Cartman) - Líder
  • Pipa Humana (Kyle Broflovski)
  • Mosquito (Clyde Donovan)
  • Fastpass (Jimmy Valmer)
  • Super Craig (Craig Tucker)

 Amigos da Liberdade
  • Dr. Timothy (Timmy Burch) - Líder
  • Mysterion (Kenny McCormick)
  • Ferramenta (Stan Marsh)
  • Tweek Maravilha (Tweek Tweak)
  • Tupperware (Token Black)

 Outros
  • Scott Malkinson (Capitão Diabetes)
  • Disque-Garota (Wendy Testaburger)
  • Professor Caos (Butters Stotch) 


Jogabilidade

O sistema de combate é baseado em turnos, com um estilo de RPG tático. Seu personagem pode escolher uma classe, com três habilidades e um "especial", que pode ser utilizado depois de carregar uma barra durante o combate, ao bloquear ataques inimigos.



Aqui os itens cosméticos (fantasias) são separados dos itens de status, então a customização é independente da força do personagem.
O menu de jogo é seu smartphone, sendo bem mais fácil de acessar as opções de jogo (mapa, ficha de personagem, etc), além de muito mais itens para colecionar (como desenhos yaoi de Tweek x Craig e os gatos desaparecidos do Al Gayzão).
O resto é similar ao jogo anterior: o mapa é praticamente o mesmo, e ainda contamos com os pontos de viagem rápida e enigmas para resolver com os aliados (ou peidos). A busca por seguidores nas redes sociais continua, agora no "Guaxingram", onde você precisa tirar uma selfie com o NPC para que ele se torne seu seguidor (a ferramenta é muito bem feita por sinal, você se diverte horrores vendo as postagens da galera!).
Outra coisa que continua são os summons, agora com Moisés, Ned e Jimbo, a prostituta Classi e o pai do Kyle!


Considerações Finais

O jogo é extremamente divertido, isso é inegável, mas não superou "The Stick of Truth". O combate é um pouco mais demorado, mas eu achei mais fácil (porém repetitivo). A história é um pouquinho preguiçosa (não que eu espere um enredo de Oscar aqui, apenas comparando com o primeiro e sabendo que Trey Parker e Matt Stone poderiam ter caprichado mais), e o final pode ser um pouco decepcionante. Ele é retativamente mais leve que o anterior, mas ainda tem uma boa dose de humor negro (mas convenhamos, nada é mais chocante do que fetos-zumbi-nazistas). Mas claro, "não tão bom quanto o primeiro" está bem longe de "ruim", então sim, recomendo com força!


Pontos Positivos
  • Dublagem impecável;
  • Sem censura;
  • Mais itens colecionáveis;
  • Poder trocar de classe a qualquer momento;
  • Tweek x Craig (é muito bonitinho);
  • Menu do jogo.

 Pontos Negativos

  • Combate tático, pode ser um pouco cansativo;
  • Especiais longos, e não dá pra pular (no começo é legal, mas depois cansa...);
  • Piadas mais "leves" (mas ainda é South Park, então "leve" com muitas aspas);
  • História poderia ter sido mais trabalhada.


                                                   Nota: 8.0

E aí, gostaram? Acham que faltou algo? Qualquer elogio, críticas ou sugestões são bem vindas! :)

0 Comentários para "+REVIEW - South Park: A Fenda que Abunda Força (The Fractured but Whole)"