+REVIEW - Onde Está Segunda?

14:00 0
Para onde estamos levando o mundo?
Para onde estamos levando o mundo?


Estamos em 2073 e o mundo está em colapso. O crescimento populacional estourou todas as projeções dos órgãos responsáveis, nos reproduzimos exponencialmente e não existem recursos naturais suficientes para serem consumidos. Pessoas por todo o mundo passam fome e são acometidas pelas mais diversas doenças, sem espaço para morar, todas amontoadas umas sobre as outras. O mundo se encontra poluído, doente e acabado. O homem mais uma vez, precisa intervir e cientistas modificam geneticamente os alimentos na tentativa de combater a fome. Um efeito colateral: O código genético dos humanos também foi modificado e as pessoas passaram a ter filhos múltiplos. Na tentativa de combater o caos populacional, entra em vigor a lei do filho único. Cada casal poderia gerar apenas um único filho. Os demais seriam mandados para a criogenia e dormiriam até que o crescimento populacional estivesse sob controle e a crise de alimentos superada, uma espécie de hibernação.

Esse é o contexto sob o qual o filme se inicia. Logo somos apresentados a uma mãe que dá a luz a sete filhas e morre logo após o parto. O avô, por não saber quem é o pai decide cuidar das meninas como se fossem filhas dele e as batiza cada uma com um nome dos dias da semana, burlando a lei do filho único. Dessa forma, as meninas entram em um rodízio em que elas apenas podem sair no dia correspondente ao seu nome sob uma única identidade, o nome de sua mãe.

O filme então avança 30 anos em que tudo parece bem para elas; Até então o governo não havia descoberto que as gêmeas se escondiam sob um única identidade. Ao final dos dias as sete irmãs se reuniam e compartilhavam os detalhes do dia a fim de darem continuidade à história sem que houvessem furos e incoerências. Basicamente, elas precisam ser idênticas em tudo. Entretanto, as coisas começam a dar errado após Segunda sair para o trabalho e não retornar. Resta para as outras seis irmãs descobrirem o que aconteceu com Segunda.




O ponto alto do filme é Noomi Rapace que interpreta as setes irmãs. Sou um grande admirador do trabalho dela logo assim que vi sua excelente atuação na adaptação sueca da trilogia Millenium - Lisbeth Salander tem meu coração. Em “Onde Está Segunda?”, Roney está no auge de sua forma física e esbanja profissionalismo em dar vida a personagens tão distintas e ao mesmo tempo tão iguais sem cair na mesmisse em clichês do gênero. Todas as personagens possuem características marcantes e pontos em suas personalidades que as divergem umas das outras, possuem caracterizações diferentes, trejeitos diferentes. Imagine o trabalho colocar no ar sete personagens tão diferentes de maneira tão profisional. Noomi supera todas as expectativas.


O longa é repleto de sequências de ação e luta, sangue não foi economizado para fazê-lo, apesar de não possuir grandes efeitos especiais - esses, por si só, são bem simplórios. O filme possui um bom roteiro, entretanto possui furos - como todo filme de ação. Em alguns momentos tive a impressão que a história ficou em segundo plano apenas para o desenvolvimento de uma cena de luta ou perseguição ou até mesmo incoerências entre os intervalos em que os eventos são narrados, mas nada que comprometa a história, que possui um ritmo fluido e agradável.


Fica claro a crítica feita contra o modelo que vivemos no mundo hoje em dia, a superpopulação e a ideia de que nossos recursos são inesgotáveis. Novamente partimos da premissa de que somos os donos do mundo e podemos fazer o que quisermos, mas nos esquecemos de que ele não se regenera por si só. Estamos ficando sem espaço no mundo. Estamos ficando sem recursos e o mundo já demonstra sinais de sua fragilidade e esgotamento.


Uma outra teoria que eu bolei em minha cabeça enquanto escrevia esse texto, é sobre como as pessoas precisam se mascarar sob uma identidade para serem aceitas no mundo lá fora. Veja bem, são sete personagens totalmente distintas, com personalidades próprias, pensamentos próprios, gostos próprios, mas que todos os dias precisam se anular e assumir uma outra identidade para assim serem permitidas conviver em sociedade. Quase como um modelo de produção, não acham? Estamos fabricando pessoas iguais, com as mesmas peças.


Onde está segunda é mais uma proposta audaciosa da Netflix. Um filme extremamente inteligente, com uma pitada de suspense e muita, muita ação. Para alguns, um ponto negativo. Para outros, necessário. Em minha opinião alguns pontos da história passaram sem aprofundamento para dar vida a tais cenas, mas como citado, nada que de fato comprometa a história.

As irmãs não descansam até descobrir o verdadeiro paradeiro de Segunda e revelam a verdade por trás do controverso projeto de criogenia do governo. Por esses motivos, o filme entra em nosso blog como uma recomendação. Espero que gostem.


Pontos positivos:
  • Roteiro interessante e bem desenvolvido
  • Atuação brilhante de Noomi Rapace em suas 7 personagens


Pontos negativos:

  • Certo exagero na quantidade de cenas de ação
  • Alguns furos na ordem cronológica nos eventos do filme foram inseridos para que o filme se estendesse por um período maior.
  • Efeitos visuais simples e de pouco impacto.


                                        Nota: 8.0/10

E aí, gostaram? Acharam ruim? Sentiram que faltou algo? Qualquer elogio, crítica e sugestão é sempre bem vinda!

0 Comentários para "+REVIEW - Onde Está Segunda?"